Tendências | Com áudio em alta, Kantar prevê o rádio como uma das apostas de mídia para 2020

Tudo Rádio - Tendências

Sexta-Feira, 06 de Dezembro de 2019 @ 07:32


São Paulo - Digitalização do rádio, com a atuação em diferentes plataformas, é apontado como uma combinação importante no planejamento de marketing para 2020


A Kantar publicou recentemente um estudo chamado "Previsões e Tendências de Mídia em 2020", relatório que conta com várias informações sobre a evolução da comunicação e do consumo para o próximo ano, a partir de movimentos que já são percebidos atualmente. No caso do rádio, as palavras "reinvenção", "nicho" e "digitalização" (relacionada ao on-line) são usadas para destacar o momento positivo do veículo, sendo uma das apostas para o próximo ano.


Quem destacou o rádio para 2020 foi a analisa Heather O’shea, representante da Kantar na América do Norte. Em seu artigo, a profissional destaca que o "o rádio continuará a se modernizar de uma maneira que ajude as marcas a alcançar novos públicos, reforçando sua posição como um meio de publicidade relevante e confiável".


A analisa se baseia nos dados atuais que mostram uma elevação do consumo de áudio, despertando assim um interesse ainda maior por parte dos profissionais de marketing. A possibilidade do rádio aliar sua forte atuação no dial com as novas plataformas digitais colaboram para que o veículo seja considerado uma aposta positiva para o próximo ano.


Em seu artigo, O'shea lembra do avanço de dispositivos como as smart-speakers (as caixas de som com inteligência artificial), que estão impactando diretamente no consumo de áudio nos Estados Unidos. Apesar de apenas um quarto dos adultos norte-americano dispor do positivo em 2019, "as novas gerações crescerão com áudio perfeitamente incorporado em suas vidas; eles vão expressar seus comandos, perguntas e desejos…", destaca a analista.


E o maior consumo de áudio resulta em possibilidades extras para o rádio, que está se reinventando. Heather afirma que o veículo está "aproveitando o ressurgimento mais amplo do áudio como um canal de marketing. Além dos tradicionais canais FM de alcance em massa, a digitalização do rádio está alimentando uma maior diversificação dentro da indústria, permitindo o aumento de mais estações de nicho", destacando também uma maior segmentação dos projetos de rádio.


A analista afirma ainda que essa distribuição mais ampla com o digital impacta diretamente nos públicos mais jovens, auxiliando nessa reinvenção do rádio. "A nossa análise de público-alvo na Suécia mostra como as pessoas que consomem conteúdo do rádio convencional estão passando para o online. A audiência on-line atinge 9,8% das pessoas de 12 a 79 anos na Suécia, de acordo com a pesquisa de mercado do rádio (medida pela Kantar), mas o alcance se torna muito maior quando se olha apenas para faixas etárias mais jovens", afirma em seu artigo.


O estudo da Kantar foi repercutido pela ACAERT, que disponibilizou o relatório na integra em seu portal (clique aqui).


A afirmação de que o crescimento do rádio passa pelo digital é algo que está claro para os executivos de rádio dos Estados Unidos, conforme destacado pelo tudoradio.com no final de novembro, com base em entrevistas feitas pelo portal norte americano Inside Radio. 


Podcasts


Os podcasts também estão em destaque no artigo da analista da Kantar. "Esperamos que os podcasts sejam um dos canais que mais crescem para gastos com anúncios: de acordo com nosso estudo Getting Media Right 2019, 63% dos profissionais de marketing dizem que planejam aumentar os gastos em podcast publicidade nos próximos 12 meses".


Heather ainda destaca que "a natureza pessoal dos podcasts oferece aos anunciantes uma resposta altamente receptiva público. E sendo um dos canais menos confusos, eles também são um dos mais interessantes - nossa medição de publicidade em podcast mostra elevações acima da média em métricas como como intenção de compra quando comparado aos dados de nossas normas", analisa.



Capa do estudo publicado pela Kantar sobre as previsões da mídia para 2020


 


Com informações da Kantar. Fonte do portal da ACAERT

Voltar